Notícias

Festival internacional de cinema feminino no Rio destaca tema da sexualidade

03/Jul/2012 Por Racismo Ambiental


Com cerca de 90 filmes em cartaz, além de debates com o público, começa hoje, terça-feira (3), no Rio de Janeiro, o 9º Festival Internacional de Cinema Feminino (Femina). Até domingo, 8, filmes com foco na questão da sexualidade, a maioria dirigida por mulheres, serão exibidos no Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, no centro.
A mostra exibirá filmes brasileiros e estrangeiros selecionados entre os 800 inscritos – número recorde – e em festivais internacionais. A principal temática é a sexualidade que, de acordo com a curadora Paula Alves, apareceu espontaneamente. “Todo ano tem um tema que se destaca entre os selecionados. Este ano, especialmente, recebemos muitos filmes sobre essa questão”, explicou.

A abertura terá a pré-estreia no Brasil do longa Histórias que só existem quando lembradas, da diretora Julia Murat. Ambientado no Vale do Paraíba, narra o encontro da padeira Madalena com uma jovem fotógrafa. Já recebeu dezenas de prêmios, entre eles os de melhor filme e de melhor atriz (para Sônia Guedes) do Festival de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Entre os filmes brasileiros, a curadora indica o Irina, da diretora Sabrina Greve. O filme conta a história de uma jovem que vive sozinha na cidade de São Paulo, trabalhando em uma loja de aquários, que sonha em conhecer a Rússia. Sua vida se transforma quando ela ganha um concurso para conhecer Moscou.

Dos filmes estrangeiros, a maioria inéditos no Brasil, estão entre os mais esperados o turco Zefir, sobre uma adolescente de temperamento forte, que é obrigada a viver durante um tempo com os avós, e o libanês Os três desaparecimentos de Soad Hosni. Ele traça um perfil da atriz egípcia que dá nome ao filme, em toda a sua complexidade e com seus paradoxos.

O Femina também apresenta um filme sobre a polêmica crítica de teatro Bárbara Heliodora, o Bárbara em cena, cuja exibição antecede a discussão com o público sobre o tema identidade. “O filme é sobre como ela se posiciona como crítica, uma pessoa supertemida pela classe artística, e como mulher”, disse Paula Alves .

Também será tema de discussões com o público e especialistas o feminismo, após exibição de um vídeo sobre a campanha política da diretora da organização não governamental Davida e da grife Daspu, Gabriela Leite.

Dentro da programação consta ainda uma homenagem à atriz Zezé Mota, com a exibição do filme que a consagrou, Xica da Silva (1976), de Cacá Diegues, domingo (8), às 18h. Uma pequena mostra para crianças e adolescentes, com temas variados, será realizada também no domingo, às 14h, na Caixa Cultural. O ingresso custa R$ 2 a inteira.




Faça seu comentário