Notícias

Base aliada se modifica em Belo Horizonte

05/Jul/2012 Por Alice Maciel - Portal UAI


As idas e vindas no quadro eleitoral de Belo Horizonte repercutiram, nessa quarta-feira, na Câmara Municipal. O acordo fechado entre PT e PMDB ontem em Brasília causou insatisfação nos vereadores peemedebistas, que sempre mantiveram postura independente – com exceção de Iran Barbosa, que faz oposição –e agora ameaçam debandar para o lado do prefeito Marcio Lacerda. Já o PV, que começou a bater de frente com o Executivo logo depois de Délio Malheiros lançar sua candidatura a prefeito, volta a ser governista. Certo é que Lacerda perdeu da sua base de governo a maior bancada na casa, a do PT, com seis vereadores. O PCdoB, representado pela vereadora Maria Lúcia Scarpelli, também deve abandoná-lo.



Termina nesta 5ª prazo para registro de candidatos às eleições deste ano Os peemedebistas, que temem perder três das quatro cadeiras que têm na Casa, se reúnem na manhã desta quinta-feira com o presidente municipal do partido, deputado federal Leonardo Quintão (PMDB), para reclamar das perdas com a coligação proporcional. “Quintão acabou com a chapa de vereadores. Nós só vamos eleger um candidato com essa união”, queixou-se o líder do partido na Câmara, vereador Cabo Júlio. O parlamentar disse que a bancada pode se rebelar contra a aliança e se tornar governista.


Já Iran Barbosa, o vereador que mais atuou nesta legislatura contra Lacerda, ameaçou até retirar sua candidatura: “Do jeito que caminharem as negociações do PMDB, eu prefiro deixar de ser candidato. Não tem a menor chance de eu ir para a base de Marcio Lacerda, mas também não vou caminhar com o PMDB se ele agir com incoerência”.


Ao contrário do PMDB, o PV participou da aliança que elegeu Lacerda em 2008. O partido esteve com ele até o deputado estadual Délio Malheiros (PV) lançar candidatura própria. A partir daí, os vereadores Sérgio Fernando e Leonardo Mattos começaram a atacar o Executivo. O vereador Sérgio Fernando chegou a ter funcionários indicados por ele na prefeitura exonerados depois de tentar dificultar o trâmite de propostas da PBH. Na última reunião extraordinária, terça-feira, Sérgio Fernando foi responsável por prejudicar a votação do projeto de maior interesse do Executivo, o que prevê a construção do Centro de Convenções. “Se o partido decidir caminhar com o prefeito vou seguir juntamente com a legenda. Não vou destoar do conjunto partidário”, ressaltou o vereador.


Liderança

O presidente estadual do PT, deputado federal Reginaldo Lopes, disse que vai orientar o vereador Tarcísio Caixeta (PT) – líder do governo na Câmara – a renunciar. Caixeta voltou a afirmar nessa quarta-feira que só vai tomar uma decisão depois de conversar com Roberto Carvalho e Reginaldo Lopes. “Cada coisa no seu tempo, estou tranquilo”, amenizou.




Faça seu comentário